terça-feira, 24 de março de 2009

O do outro - I


Minha experiência de homem liberal me ensinou que uma das coisas que muda é a sua relação com a Torre de outros homens.
.
Todos nós somos ensinados a ter uma relação complicada com o instrumento alheio. O pau do outro homem – é uma espécie de instrumento do mal, capaz de transformar a gente em bicha só de roçar de leve num vestiário apertado depois da aula de educação física. No chuveiro coletivo no colégio a gente mal se olha – só vê com o rabo do molho as manchas pretas no meio das coxas dos colegas antes de virar o olhar. Nem admitimos a curiosidade – uma pessoa pode espiar o meio das coxas de outra só por curiosidade, as mulheres fazem isso demais, mas a gente homem nunca admite isso.
.
Isso muda. Geralmente é o homem que fica encarregado de arranjar os candidatos para a princesinha escolher. E nessa escolha, claro, importa a gentileza, o charme, a beleza do rapaz, talvez até certas paquera com sua esposa. Mas o que importa mesmo é o pau do outro. Você é um homem, a esposa é uma mulher – o outro cara é pouco mais de uma vara. (Claro, uma vara que terá sua recompensa em prazer.) Como o cara pouco mais é que uma barra dura, na hora de procurar um, a vara é que importa.
.
A primeira vez que fui a um vestiário de clube com o propósito de verificar os tamanhos dos caras lá, fiquei constrangido. Tive medo de estar virando de lado, sei lá. Foi difícil olhar direto para o meio da sunga branca de um rapaz até meio feinho que apareceu lá. Morri de medo que percebesse. Com as semanas, me acostumei. Aprendi a sacar o tamanho de um cara até apertado pela sunga, formando numa curva. A sacar quando está meio enrijecido talvez pelo biquíni de alguma garota na piscina ou quando está totalmente relaxado. A calcular pelo volume do calção samba-canção. A olhar disfarçando mas ainda assim olhar direto quando o cara tira tudo para entrar no chuveiro – e aí posso ver o candidato em seu esplendor. A avaliar não só a beleza do falo mas também das suas bolas. E dos seus pelos – se você tem uma esposa que gosta de homens peludos, como é o caso da minha linda Ana Beatriz!

.
Claro, essa análise não se dá só em vestiários e praias. Acostumei-me a passar em frente à Universidade e dar carona a rapazes. Era geralmente usam bermuda e mal o garoto entra no carro e já saco mais ou menos o tamanho dele. Às vezes faço isso até sem maldade, só pelo hábito.
Há uma outra mudança na relação sua com o falo do outro. Mas isso só na próxima terça, nesta coluna Teoria da Cornagem, toda terça!

.
Beijos liberais,
Ludwig

2 comentários:

  1. Então e como está você sentindo o falo dos outros?

    ResponderExcluir
  2. PROCURA-SE MULHER DE CORNO GRÁVIDA - CUCKOLD - CREAMPIE - REAL SEX


    >>> fudedor.de.esposas.df@hotmail.com
    >>> (61) 8456-6055 Operadora OI.
    >>> (61) 9285-0356 Operadora CLARO.

    >> Me chamo Ricardo moro em Ceilândia, Brasília-DF sou comedor de esposinhas. Adoro comer as esposinhas de meus amigos na frente deles.

    >>> Procuro casais liberais, casadas, noivas, namoradas e solteiras, grávidas, gringas, ananzinhas.

    Adoro gozar dentro da boca das casadas e mandar o corno limpar tudinho, mas se meu novo amigo curtir só observar eu metendo na sua linda esposinha tudo bem. Tenho 35 anos, 1,72m de altura, 76kg, moreno claro. Qualquer casal que curta entre em contato comigo.

    >>>>>> OBS.: Favor não fiquem mandando mensagens para o meu celular, se quiserem me liguem pois sou comedor de esposinhas e não mensageiro. Curto sexo real sou comedor nato.

    ResponderExcluir

Olá Ana Beatriz e Ludwig, sou/fantasio em ser corno (ou fazer de meu maridinho um) e penso o seguinte: